BDMG faz nova redução de taxas para capital de giro

Publicado em 29/06/2018 17:17  | Economia

“Ter uma pequena empresa é um grande desafio. Por isso, é tão importante poder contar com um banco que realmente acredita em você. O BDMG oferece soluções de crédito para micro e pequenas empresas e empresas com faturamento de até R$ 30 milhões/ano, a partir de seis meses de funcionamento.

O Banco tem as melhores condições para a sua empresa, sem exigir tempo de relacionamento ou adesão a outros produtos.

Financiamento para todas as necessidades de expansão da empresa (capital de giro, compra de matéria prima, reformas, obras civis, entre outros) com taxas a partir de 1,36%* ao mês e prazo total de até 4 anos, incluindo até 3 meses de carência.”

Saiba o que é Capital de Giro

Quando se fala em “empreender”, muitas micro e pequenas empresas vão em busca de opções para financiar suas operações. Começa aí, a jornada para descobrir qual a melhor e mais adequada linha de financiamento para o seu negócio. Na maioria das vezes, esse dinheiro é usado como Capital de Giro.

O Capital de Giro, nada mais é, do que o valor que a empresa precisa para realizar sua atividade econômica.  Ou seja, esse recurso é o resultado entre o dinheiro que você tem, e o dinheiro que você gasta. Ele normalmente é usado para a reforma da loja, como recurso para vender a prazo. Em caso de novas empresas, ele pode ser investido no estoque, em compra de novos equipamentos, entre outros.

Mas para que esse recurso gere lucro, é preciso saber calcular para estabelecer um controle financeiro!

Quando a administração do capital de giro falha, o empreendedor acaba recorrendo aos bancos para “saldar” suas dívidas por meio do acesso ao crédito e do financiamento de operação. É aí que mora o perigo! Ao fazer o uso dessa estratégia em uma situação emergencial, o empreendedor se torna “refém” do banco e tende a negociar uma operação totalmente desfavorável, sendo obrigado a concordar com termos que futuramente deixarão a sua empresa ainda mais endividada.

Felizmente, existem prevenções simples para evitar esse tipo de situação. Para começar, é essencial que o empreendedor tenha um controle sobre os inadimplentes, averiguar todas as documentações financeiras da empresa, para saber se estão corretamente adequadas, fazer a renegociação de dívidas para o longo prazo, ter total conhecimento - tanto do fluxo de caixa, quanto do ciclo financeiro -, e manter uma política de redução de custos e despesas.

Como vimos acima, existem uma série de fatores que influenciam no cálculo do capital de giro. Entenda agora como deve ser feito o cálculo:

Antes de mais nada, é preciso ter algumas informações em mãos. As contas do caixa e banco representam os recursos mais importantes, visto que eles estão concentrados e disponíveis para a empresa de forma mais rápida.

As contas a receber também entram no cálculo - elas são o resultado das vendas a prazo. Quanto maior for o valor e o período que você vai oferecer para o consumidor, mais recursos a empresa precisará para arcar com as despesas enquanto esse dinheiro não entra no caixa.

Outro fator importante que deve ser levado em consideração, é o valor do estoque, pois sua alteração será feita com frequência, de acordo com a necessidade e o perfil do consumidor. Como o estoque tem uma grande demanda na quantidade de recursos financeiros, o empresário deve estar sempre atento aos investimentos disponíveis, caso contrário, o negócio corre o rico de entrar em dívida.

Para que a sua empresa tenha uma boa estabilidade financeira, é preciso estar sempre atento a administração do capital de giro, garantindo assim, o sucesso do seu negócio!

Restou alguma dúvida sobre o assunto? Entre em contato com o Sindicomércio e conheça qual o melhor investimento para sua empresa!

Informações pelo telefone: (32)3215-1317


* * Taxa de juros anualizada a partir de 17,55% e CET (Custo Efetivo Total) a partir de 23,99% ao ano. Produtos sujeitos à incidência de IOF Pessoa Jurídica descontado no ato da liberação do recurso: 0,0041% ao dia (limitado a 1,5% ao ano + adicional de 0,38% se devido). IOF Pessoa Jurídica Optante Simples Nacional: 0,00137% ao dia (limitado a 0,5% ao ano + adicional de 0,38% se devido) em operações de até R$ 30 mil. Condições sujeitas a alterações e financiamentos sujeitos a análise de crédito e disponibilidade do produto. Taxa válida para financiamentos até R$ 700 mil.​

** Taxa de juros anualizada a partir de 16,63%. CET anualizado a partir de 22,86​%.