Expectativas do comércio para as vendas na Páscoa

Publicado em 09/04/2019 08:42  | Economia

    A Páscoa é uma comemoração de forte apelo comercial para o setor alimentício, principalmente nas linhas de chocolates, peixarias e guloseimas, cujo público são as crianças e jovens. A data, não com tanta expressividade, também gera movimentação no setor de artigos religiosos, uma vez que a festa representa uma das maiores comemorações para os católicos.

    Identificado como carro chefe do comércio nessa data, os ovos de chocolate a cada ano ganham novos incrementos por parte da indústria, estratégia usada por muitas empresas como uma forma de atrair o consumidor.

    O gerente de Marketing da rede de supermercados Bahamas, Nelson Júnior, diz que este ano a loja investiu em 143 mil ovos de chocolate: “Nossa expectativa para essa Páscoa é positiva. Esperamos um aumento de 15% nas vendas em relação ao ano de 2018. A grande aposta desse ano são os ovos com embalagens de personagens infantis, como a Boneca LOL, e a entrada de brindes digitais que possibilitam que os consumidores interajam com a embalagem do produto.”

    Nelson Jr. ressalta ainda que, para essa data, as indústrias realizam contratações de promotores especiais, que atuam nas lojas a fim de aumentar o número de vendas de uma marca específica.

    Segundo o presidente do Sindicomércio, Emerson Beloti, as expectativas de venda para a Páscoa são positivas (de 5% a 10%). “A Páscoa é considerada o Natal para as redes de supermercados, casas de chocolate e peixarias, devido ao grande movimento nos dias que antecedem a data, que em 2019 é comemorada no dia 21 de abril”.

    Uma pesquisa realizada pela Fecomércio-MG apontou que 38% dos consumidores irão presentear alguém nesta Páscoa. Os itens escolhidos foram, em sua maioria, chocolates/doces (94,1%). Entre esses, 63,3%, são os tradicionais ovos de chocolate. Cerca de 6% desses consumidores pretendem adquirir artigos religiosos no período.

    A pesquisa aponta ainda que os empresários do comércio acreditam que o consumidor fará pesquisas de preços antes de comprar, e gastarão em média um valor de até R$500 em produtos típicos da data.